24 de março de 2018
Imprensa
Seminário discute reestruturação da Lira Nordestina

O auditório do Memorial Padre Cícero foi palco do “Seminário Lira Nordestina: Diagnósticos e Atualizações”, durante toda a quinta-feira, 22 de março. O evento, que integrou a programação da 36ª Semana Padre Cícero, foi realizado pela Prefeitura de Juazeiro do Norte, através da Secretaria de Cultura, em parceria com a Universidade Regional do Cariri (Urca) e contou com a participação da Associação dos Xilógrafos do Cariri (Axarca)

Durante todo o dia aconteceram debates e palestras acerca da importância da gráfica Lira Nordestina enquanto patrimônio cultural e histórico da Região do Cariri. Entre palestrantes e debatedores estiveram a professora da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG – campus Cajazeiras), Rosilene Melo, o Reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA), Patrício Melo, os pesquisadores Renato Casimiro, Renato Dantas, Geová Sobreira, Sandra Nancy Freire e os xilógrafos Abraão Batista e José Lourenço. Além deles, vários participantes contribuíram com críticas e sugestões para a reestruturação da gráfica, o que permitirá que as entidades desenvolvam ações pertinentes que garantam o funcionamento e o melhoramento do equipamento, que se encontra, atualmente, sob a responsabilidade da Urca.

O objetivo do evento foi discutir uma nova pactuação em prol da Lira Nordestina, no tocante à sua gestão e no desenvolvimento de ações e políticas para geração de renda e auto sustentabilidade do equipamento. A gráfica abriga, atualmente, a Axarca, uma associação composta por artesãos que trabalham cotidianamente no espaço onde ela está instalada, localizada no Centro Multifuncional do Cariri “Vapt Vupt”.

Ao final foi lida a “carta de pactuação em prol da Lira Nordestina”, um documento onde as entidades como a Urca, Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, Secretaria de Cultura do Estado Ceará e Sebrae se comprometem a definir um plano de ações que dará novas perspectivas ao trabalho desenvolvido no equipamento.

De acordo com a Presidente da Fundação Memorial Padre Cícero, instituição anfitriã e organizadora do evento, Cristina Holanda, uma série de encontros serão realizados entre as partes envolvidas para se definir esse plano. A perspectiva que esse trabalho esteja pronto ainda no primeiro semestre de 2018. “Esse evento foi muito democrático porque as pessoas e entidade tiveram a oportunidade de falar muito abertamente sobre os problemas históricos que acompanham a Lira desde várias gestões anteriores”, comentou Cristina Holanda.

O Secretário de Cultura de Juazeiro do Norte, Renato Fernandes, observou que o trabalho da Secult nesta gestão está respaldado por uma equipe tecnicamente qualificada e competente. “Uma das equipes mais qualificadas do Brasil”, ressaltou, e que está comprometida para atuar em prol da Cultura de Juazeiro do Norte, encontrando alternativas que valorizem e deem sustentabilidade para o rico patrimônio cultural do Município. Para ele, o Seminário sobre a Lira Nordestina foi uma oportunidade para que Juazeiro do Norte possa atuar na sua preservação e manutenção. “Eu vejo que esse é o momento de termos agentes interessados e competentes para determinar encaminhamentos efetivos para a manutenção sustentável da Lira Nordestina. Nós podemos debater esses encaminhamentos”, disse Renato Fernandes.

A Coordenadora do Escritório Regional da Secult Ceará, Dane de Jade, que representou o Secretário Estadual de Cultura, Fabiano Piúba, no evento, acredita que o Seminário permitiu que haja uma clareza e a união das instituições para se fazer um planejamento estratégico para a organização do equipamento.  “A Lira Nordestina é um patrimônio que merece a nossa atenção, ser reconhecida, valorizada e protegida. Esse encontro nos colou no lugar de organização daquele espaço”, disse Dane de Jade.

Calendário acadêmico da Urca

O Reitor da URCA, Patrício Melo, afirmou que esse Seminário entrará para o calendário oficial das ações acadêmicas da URCA em parcerias com as Secretarias de Cultura de Juazeiro do Norte e do Estado do Ceará. Para ele, essa primeira edição foi uma oportunidade de discutir o nível de importância da Lira Nordestina e as possibilidades de geração de negócios que ela tem com os artistas que fazem parte do equipamento, na produção de cordéis e reedição de exemplares clássicos, da xilogravura e do artesanato, a partir de uma auto avaliação de cada entidade envolvida no processo.

Patrício Melo acredita ser necessário um trabalho de expansão de todas dessas capacidades da Lira Nordestina, inclusive o trabalho de pesquisa feito pela Urca e outras instituições de ensino superior da Região do Cariri e de outras partes do país. “A nova pactuação deixará clara a responsabilidade que cada entidade envolvida tem com a Lira Nordestina, inclusive o investimento financeiro que cada uma deve fazer”, ressalta.

Território Cariri do Georpark Araripe

Uma das características que tornam o Cariri um território Unesco é o seu aspecto cultural e a Lira Nordestina é uma das lideranças na Região que expressam essa identidade.

De acordo com Patrício Melo, o Georpark Araripe se agrega nesse pacto institucional para fortalecer a Lira Nordestina, inclusive, apoiando financeiramente. A atuação do Geopark dá a possibilidade de ampliar o raio de atuação da gráfica, de modo que ela seja visualizada numa rede internacional que hoje envolve 130 territórios em 37 países dos cincos continentes. É uma ambição que já é real por já termos um território que é o Araripe Geopark Mundial da Unesco”, finalizou o reitor Patrício Melo.

Fotos: Samuel Macedo

Galeria de fotos


Tópicos: