3 de abril de 2018
Imprensa
Juazeiro do Norte sedia I Seminário Estadual sobre violação de direitos e violência contra a mulher

A Secretaria de Desenvolvimento Social e Trabalho (Sedest), junto ao Governo do Estado, promoveu o I Seminário Estadual sobre violação de direitos e violência contra a mulher nesta segunda-feira, 02, no auditório do Instituto Federal do Ceará (IFCE). Representantes de mais de 50 Municípios participaram do evento que contou com a presença do Prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, e do Secretário de Trabalho e Desenvolvimento Social do Estado, Josbertini Clementino.

O Seminário aconteceu durante todo o dia, com oficinas e palestras. Para a conferência de abertura, a professora e coordenadora do observatório de violência contra a mulher do Estado, Helena Frota, falou sobre avanços e desafios em relação às políticas públicas voltadas para as mulheres. Participaram como debatedoras da mesa, a advogada do Centro de Referência da Mulher (CRM) Ana Marina Miranda, e a ex-secretária de Desenvolvimento Social e Trabalho de Juazeiro do Norte, Isabela Bezerra.

Parcerias

Segundo o Prefeito Arnon Bezerra, o seminário proporciona a troca de experiências entre os profissionais de municípios vizinhos e da capital, e fortalece parceria. “A nossa preocupação é valorização das pessoas.  Entendemos que as políticas públicas voltadas para as mulheres transformam toda a sociedade e todos são beneficiados. A Sedest tem trabalhado nesse sentido, de inserir as mulheres em vários meios, o que me deixa confiante de que Juazeiro está se transformando, melhorando”, disse.

O Secretário de Desenvolvimento Social e Trabalho, Sandoval Barreto, falou da importância de Juazeiro do Norte sediar evento já que o Município perde apenas para a Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza em número de registro de inquéritos instaurados. “Esse primeiro seminário regional é importante para Juazeiro do Norte porque mais de 50 cidades da região vieram, o que torna a experiência muito construtiva. Nossa ideia é fortalecer o nosso trabalho de rede no enfrentamento da violência contra a mulher”.

Inclusão produtiva

Juazeiro do Norte é a cidade com o maior número de casos de violência contra a mulher, no interior do Ceará, segundo a titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), Débora Gurgel. Uma média de 80 a 100 boletins de ocorrência (BO) são realizados por mês, mas nem todos geram inquérito policial. Atualmente, o Ceará possui nove delegacias especializadas em atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica.

A Sedest tem trabalhado para garantir a autonomia e emancipação econômica desse público, entendendo que dessa forma a mulher se torna condutora da própria vida e se afirma enquanto sujeito de direitos. “Nós já trabalhamos políticas públicas voltadas às mulheres, com parcerias importantes com o Senac, Senai e a Delegacia da Mulher. Trabalhamos para garantir a construção de renda às mulheres, através dos grupos de fortalecimento de vínculos, desenvolvidos no Centros de Referência de Assistência Social (CRAS). A mulher adolescente, a mulher adulta e a mulher idosa têm seus espaços nos equipamentos. E entendemos que um dos principais requisitos para sair desse ciclo de violência é a condição de sobreviver”, afirmou a Diretora de Proteção Social Especial da Sedest, Raquel Pinheiro.

Segundo o Secretário Josbertini Clementino, Juazeiro do Norte é área estratégica do Estado do Ceará, devido a sua localização e os equipamentos que a cidade dispõe no enfrentamento da violência contra a mulher.  “Queremos promover uma discussão com todos aqueles que fazem esse controle social. A melhor forma de combater é mostrar, evidenciar esses casos, promover debates e, o mais importante, trabalhar de forma integrada. Juazeiro do Norte está se tornando referência nesse sentido”, afirmou.

Empreendedoras dos CRAS

Durante o Seminário Estadual a Sedest promoveu exposição do artesanato produzido pelas mulheres empreendedoras dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras).   Essa ação coloca em evidência os produtos artesanais em tipologias diferenciadas, resultado do trabalho de fomento da economia criativa que acontece nos equipamentos através do empoderamento das mulheres para a geração de trabalho e renda. A Sedest promove exposições nos eventos como forma de dar visibilidade a produção artesanal e fortalecer o protagonismo dos CRAS em construir uma cadeia economicamente sustentável.

Fotos: Samuel Macedo

Galeria de fotos


Tópicos: